Home

Preparem as pedras porque hoje tem resenha polêmica, galera. A pauta da vez é ninguém mais, ninguém menos que a famosa rainha do crime: Agatha Christie, que já foi falada por aqui no meu texto sobre o Assassinato No Campo De Golfe. Como vocês podem ver, rolou aquela paixão literária e eu realmente reconheci todo o potencial da autora, porém, preciso fazer um desabafo: E Não Sobrou Nenhum (publicado anteriormente como O Caso Dos Dez Negrinhos) nem é tudo isso que as pessoas falam. Deixem-me explicar o porquê:

Previsibilidade: se tem uma coisa que os autores de suspenses e crimes policiais sabem fazer de melhor é evitar que nós, leitores, descubramos o desfecho da história. Sidney Sheldon, para mim, é um ótimo exemplo. E longe de mim afirmar que Agatha Christie é previsível: mas E Não Sobrou Nenhum é.

Outra coisa que me incomodou no livro é a forma, um tanto quanto desleixada, de apresentar os personagens e de determinar as mortes (desculpas pelo pequeno spoiler). Histórias que não se conectam e que só recebem uma explicação digna nas últimas 20 páginas.

E, mesmo sendo um dos livros mais vendidos do mundo, E Não Sobrou Nenhum não me convence, não me anima e ainda me faz indagar porque tantas pessoas o ressaltam. São dez personagens com uma característica em comum que vão parar numa ilha e, aos poucos, são reduzidos a nenhum, como o próprio título sugere. Um poema, deixado pelo responsável dos assassinatos, já deixa muitas pistas de que todos irão morrer e, inclusive, de que forma. A única incógnita é saber qual seria a ordem e quem planejou as mortes. E só.

Aí eu me pergunto: o que tem de tão genial nisso? É notório a habilidade de Agatha em criar uma trama, mas a verdade é que foi tudo tão premeditado que nem me surpreendo com o final. Faltou aquela confusão na mente, aquela dúvida angustiante ou então um suspense de matar o estômago. Acho que a única coisa que me faria dar mais do que 3 estrelas para esse livro é rasgando a página do poema. Não foi dessa vez.

Fonte: Skoob

Fonte: Skoob

Anúncios

2 pensamentos em “E Não Sobrou Nenhum (Christie, Agatha)

  1. Não tem pedras…….acho que os fanáticos por literatura são mais pacíficos que os fanáticos por série……..haehaheah………sei lá, mas quando pego um livro (romance) para ler fico pensando no porque quero ler aquilo, o que quero encontrar, ou não…….enfim, o porque se lê vai ser determinante para a avaliação daquela leitura……..para sermos generalistas, se vai se ler um livro por entretenimento vai ter uma avaliação A, se vai se ler um livro pelo prazer estético da literatura como arte (nossa, que profundo isso………ahahheahe), vai se ter uma avaliação B…….em muitos casos A e B são como água e óleo, não se misturam……..

    • Olá, AntimidiaBlog! Não sei se acontece o mesmo com você, mas, para mim, a literatura é um entretenimento levado a sério. rsrs

      Acho que dá para ter uma avaliação A e B de uma obra, sem agir como fanático ou “hater”. Infelizmente, não tive sorte com esse best-seller da Agatha Christie.

      Um abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s