Home

Persuasão - Jane Austen

Mesmo com o passar dos anos, os relacionamentos são uma das pautas literárias mais abordadas. Quando li Orgulho e Preconceito, da escritora britânica Jane Austen, há cerca de seis anos, não tinha noção de como o assunto era um tabu para a época. E o que antes era uma experiência maravilhosa agora quase se tornou em um desastre durante Persuasão, o clássico de saída da autora antes de sua morte.

Notei que muitos resenhistas tiveram a mesma impressão que eu: este livro é uma obra de alta complexidade. Assim como os outros títulos, possui uma quantidade exorbitante de personagens, ou seja, é quase impossível não se perder. Entre pais, amigos e irmãos, temos como ponto central a jovem Anne Elliot, que tem seu enredo atrelado ao passado e ao futuro amoroso.

Como sempre, as diferenças sociais são temas trazidos por Austen. O dinheiro, que sempre foi um problema para a época, aparece mais uma vez como protagonista de “casos de família” que sempre existiram (e existirão!). Afinal, quem nunca se aventurou em uma história em que a mocinha se apaixona e está impedida de ser feliz devido a classe social de outrem?

Assim como nos tempos atuais, as interferências aparecem em forma de familiares ou amigos, que passam a enxergar os interesses financeiros como um motivo para impedir a felicidade alheia. Quem diria que Austen seria a maior precursora da famosa “Quadrilha” de Carlos Drummond de Andrade?

Em Persuasão, a história se amarra da seguinte forma:

“Sir Walter Elliot, pai de Elizabeth e Anne Elliot, além de Mary Musgrove. Elizabeth é interessada em Mr. William Elliot, enquanto Anne Elliot é interessada pelo Capitão Frederick Wentworth e Mary Musgrove é casada com Charles Musgrove, que tentou casar com Anne, mas não conseguiu. Lady Russell é amiga dos Elliot e contra o casamento de Anne com Frederick. Mrs. Clay é amiga íntima de Elizabeth e interessada em Sir Walter, mas no fim acaba se casando com Sir William, que não casou com Elizabeth, mas era a fim de Anne. Capitão Frederick é apaixonado por Anne, mas já chegou a se envolver com Louisa e Henrietta, as irmãs de Charles Musgrove. É também irmão de Sophia Croft e cunhado de Admiral Croft. Louisa é interessada no Capitão Benwick, que é amigo do Capitão Harville, que é amigo do Capitão Frederick. Henrietta é compromissada com seu próprio primo, Charles Hayter. Mrs. Smith, amiga de Anne, é quem a alerta sobre não se casar com Mr. Elliot. E, por fim, temos Lady Dalrymple, que é prima de Sir Walter.””

Além de tudo isso, o cenário se divide entre Kellynch Hall, Uppercross Hall, Lyme e Bath, que, inclusive, é uma cidade da Inglaterra. Anos atrás, eu dissera que os romances britânicos eram os melhores da categoria. O cenário romano é uma ótima fonte de inspiração, mas Jane Austen traz uma outra versão do patrimônio inglês: tudo é tão grandioso que o status social é sempre um motivo para disputas.

Persuasão é, de certo modo, atemporal. Enquanto Austen demonstra uma sociedade refém de sua situação econômica, por outro lado temos mulheres que buscam sua independência, não somente financeira, mas de certa forma pessoal. O que nos resta é acreditar que, no fim, o amor sempre resistirá – seja ele próprio ou por outrem.

Persuasão

Fonte: Skoob

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s